sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Cristãos cansados de fugir pegam em armas contra terror jihadista do ISIS – Ore

soldados-cristaos-do-Dwekh Nawsha-assiria-contra-isisUma minoria cristã tomaram a decisão de pela primeira vez pegar em armas para se defender do terror jihadista do ISIS(Estado Islâmico). Um pequeno esquadrão de homens cristãos cansados de oferecer a outra face, decidiram enfrentar os algozes em defesa de suas vidas e famílias na província de Nínive. - Confira, ore e comente…
Com a queda de Monsul em junho passado, uma dispersão de cristãos, o qual transformou os crentes em eternos fugitivos da investida violenta do ISIS(Estado Islâmico). Ainda milhares de fieis a Cristo estão ilhados em prédios semi-construídos no Curdistão iraquiano e que vê se agravar a situação dos deslocados, devido a angustiante espera do rigoroso inverno que esta prestes a chegar na região.
Diante destas adversidades um pequeno esquadrão de homens cristãos fugitivos, cansados de dar a outra face aos ataques dos jihadistas, soldados-cristaos-do-Dwekh Nawsha-assiria-contra-isis-1decidiram enfrentar os algozes que os fizeram fugir das suas aldeias agora devastadas, onde saquearam suas casas e lançaram medo e horror em nosso meio.
“Perdemos tudo. Muitos optaram por fugir, mas os abusos que sofremos acabou convencendo alguns da necessidade de nos defender, a nossa terra e a nossa gente”, diz ao El Mundo o cristãos Odisho Yusef, em ex-soldado do exército iraquiano.
soldados-cristaos-do-Dwekh Nawsha-assiria-contra-isis-homeCom seus 58 anos, lidera um batalhão de cristãos assirios que autodenominam “Dwekh”(aqueles que se sacrificam – tradução bem antiga do idioma assirio). “Somos um pequeno exército composto por cristãos de diferentes partes da província de Nínive. Pegar em armas não foi uma decisão fácil, mas não havia outra escolha, para ser realista “, argumenta o líder.
Até agora a diminuição da minoria de cristãos na última década já chega a mais de um milhão de crentes que abandonaram o Iraque – havia a necessidade diante das atrocidades do ISIS de criar o seu próprio grupo armado.
A ofensiva dos extremistas, que expulsou centenas de milhares de cristãos, os quais tiveram seus bens confiscados, igrejas e mosteiros ocupados, nos impôs uma mudança de estratégia.
“Temos cerca de 40 homens armados que estão preparados na linha de frente em Dohuk (uns 80 jilometros de Monsul).Queremos enviarsoldados-cristaos-do-Dwekh Nawsha-assiria-contra-isis-2uma mensagem para o nosso povo. Não é o momento para nos exilarmos. É hora de defender a nossa terra “, disse Emanuel Khoshaba, secretário-geral da Assíria Partido Patriótico ao jornal, uma das formações cristãs que operam na região autônoma do Curdistão.
O secretário disse que “Todas as armas foram adquiridas pelo partido e os jovens que se alistaram foram treinados pelo antigo exército iraquiano”. A opção de comprar as armas, foi devido ao flagelo sofrido pelos cristãos, o qual foi observada desde a Europa e toda América.
soldados-cristaos-do-Dwekh Nawsha-assiria-contra-isis“Nosso grupo é só de defesa” diz Yusef. Os assirios receberam recentemente uma visita de representantes das Forças Libanesas, um grupo armado cristão transformado em movimento político. A delegação de autoridades libanesas também discutiram com as autoridades curdas a possibilidade de disponibilizar armas para os cristãos iraquianos.
“Queremos formar uma milícia. Queremos continuar a cooperar com ‘peshmerga’ (força que combate o ISIS) e necessitamos receber apoio da União Europeia e dos Estados Unidos”, disse o líder dos cristãos combatentes, a favor de uma comunidade cristã que possa retornar para suas casas sob a proteção internaciona